transtorno obsessivo-compulsivo

O que é transtorno obsessivo-compulsivo: sintomas e tratamento

O transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) é um distúrbio comum e duradouro. É caracterizado pela obsessão de ideias, pensamentos e imagens que invadem a pessoa obstinadamente, sem que ela queira.

O TOC é considerado uma patologia mental grave, estando entre as dez maiores causas de incapacitação, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMB). Estima-se que aproximadamente 4 milhões de brasileiros sofram com esse mal.

Sintomas do transtorno obsessivo-compulsivo

Pessoas com transtorno obsessivo-compulsivo podem apresentar sintomas de obsessões, compulsões ou ambos. Esses sintomas podem atrapalhar a vida da pessoa de modo geral, como escola, trabalho e relacionamentos pessoais.

Os sintomas do TOC abrangem alterações comportamentais (compulsões ou rituais, evitações, repetições), e dos pensamentos (dúvidas, preocupações excessivas, pensamentos “ruins” ou de conteúdo impróprio, obsessões). Além de causarem alterações das emoções, como desconforto, medo, depressão, culpa e aflição.

Evitações, obsessões e compulsões

As evitações, apesar de não serem específicas do transtorno obsessivo-compulsivo, são, em grande maioria, as responsáveis pelas limitações provocadas pela doença.

As obsessões são pensamentos, imagens ou impulsos persistentes e recorrentes que são vividos como indesejados e intrusivos. Já as compulsões são atos mentais ou comportamentos repetitivos, em que uma pessoa se sente obrigado a fazer em resposta a uma obsessão ou conforme regras que devem ser aplicadas de forma severa.

Os sintomas mais comuns tanto das obsessões quanto das compulsões incluem:

  • Medo de contaminação ou germes, por isso lavam as mãos excessivamente;
  • Preocupação com limpeza de forma exagerada;
  • Confere diversas vezes portas, janelas ou gás, antes de sair de casa ou dormir;
  • Pensamentos impróprios envolvendo sexo e outros;
  • Pensamentos agressivos em relação a si próprio ou aos outros;
  • Arruma as coisas em ordem perfeita;
  • Contagem compulsiva.

Hábitos e rituais para ficar atento

Nem todos os hábitos ou rituais são compulsões. Todo mundo verifica as coisas às vezes. Porém, uma pessoa que sofre desse transtorno geralmente:

  • Não consegue controlar seus comportamentos ou pensamentos, mesmo quando esses são reconhecidos como excessivos;
  • Passa pelo menos 1 hora do dia sendo refém desses pensamentos ou comportamentos;
  • Não têm nenhum tipo de prazer ao realizar os rituais ou comportamentos, porém, pode sentir um leve refrigério da ansiedade que os pensamentos ocasionam;
  • Passa por problemas relevantes em sua vida cotidiana devido a esses comportamentos ou pensamentos;
  • Algumas pessoas com TOC também têm um distúrbio (Tic). Esses tiques motores são movimentos repentinos, repetitivos e breves, como encolhimento do ombro, empurrão da cabeça ou do ombro, piscar os olhos e outros movimentos relacionados aos olhos;
  • Os tiques vocais mais comuns incluem sons repetitivos de cheirar, grunhir ou limpar a garganta.

Os sintomas podem vir e ir, melhorar com o tempo ou até mesmo piorar. As pessoas que sofrem de TOC podem tentar ajudar umas às outras, evitando episódios que desencadeiam sua obsessões, ou usar drogas ou álcool como forma de se acalmarem.

Tratamento para o transtorno obsessivo-compulsivo

A terapia de prevenção de rituais (resposta) e a terapia de exposição costumam ter sucesso no tratamento do TOC.

A terapia de exposição se caracteriza em expor gradativa e repetidamente a pessoa em situações que desencadeiam os rituais, obsessões ou desconforto, sem consentir que ela realize o ato compulsivo (terapia de prevenção de ritual).

A ansiedade ou desconforto diminuem de forma gradual durante as sessões de exposição repetida, na medida em que a pessoa reconhece que realização de rituais não é mais necessária. 

Muitos especialistas defendem a tese que uma combinação da terapia de exposição e de prevenção de rituais juntamente com a farmacoterapia seja o tratamento ideal para o transtorno obsessivo-compulsivo.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como psiquiatra em Porto Alegre!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp