surto psicótico

O que é e quais são as causas do surto psicótico?

O surto psicótico isto é, a psicose, uma desordem mental que pode incluir:

  • delírio;
  • alucinação;
  • fala incompreensível;
  • agressividade;
  • confusão mental;
  • alteração em hábitos alimentares;
  • problemas de memória;
  • agitação psicomotora.

Por estar fora de controle a pessoa ainda pode apresentar comportamentos sociais inadequados. Como se despir em público ou se automutilar.

Além disso, uma pessoa em surto psicótico pode agredir entes queridos ou desconhecidos sem motivo óbvio. Por conta disso é um perigo para si mesmo e para os outros.

Diante de crises assim é preciso agir logo. Saiba como reconhecer esse caso e como intervir neste artigo.

Surto psicótico x loucura

Tão importante quanto a percepção da crise é desmitificar o quadro. Isso porque ninguém, de fato, está livre de sofrer uma crise psicótica. Por isso, ao contrário da crença popular, a pessoa não está louca. Pode se tratar de, apenas, um episódio sem efeitos mais graves.

Assim como acontecer, por exemplo, devido à abstinência de alguma droga, ele também pode ser desencadeado por um luto muito intenso.

A avaliação do distúrbio leva em conta o tempo de duração e a persistência. Da mesma forma como o transtorno psicótico pode ser classificado por tipos:

  • breve, sem nexo causal;
  • momentâneo, com motivo aparente;
  • efêmero, com início no pós-parto.

Importância do tempo de duração do surto

Para a psiquiatria o diagnóstico do surto é dada quando ocorre somente uma vez. Se dentro de um mês passa a ser recorrente pode ter relação com outros distúrbios.

Quais são as causas do surto?

Na verdade, não existe uma causa única, mas sim uma série de fatores que podem estar associados ao quadro. Essas relações serão abordadas a seguir.

Ademais, a genética também influência bastante nesse aspecto.

Diagnóstico do surto psicótico

Para o diagnóstico desse evento, é recomendável a realização de uma avaliação global pelo psiquiatra. Bem como deve incluir a análise de:

  • exames de sangue e urina;
  • entrevista clínica exploratória;
  • ressonância magnética;

Com isso, se tem um panorama do cérebro assim como possíveis anormalidades morfológicas.

Correlação com outros transtornos

Há casos ainda em que a pessoa pode ser diagnosticada com esquizofrenia. Ou ainda ter influência de outros eventos preexistentes, tais como:

  • personalidade narcisista;
  • psicose paranoide;
  • demência;
  • bipolaridade;
  • epilepsia
  • depressão;
  • ter relação com a lúpus sistêmica.

Tratamento do surto psicótico

Antes de mais nada é essencial apoiar o paciente em sofrimento mental. Dito isso, salienta-se o quanto a psicoterapia tem efeito positivo nessa situação.

Além disso, sempre que as crises forem frequentes, é indicada a medicação antipsicótica. Isso, é claro, deve ser combinado com a terapia cognitivo comportamental.

Nesse caso, também é interessante participar de grupos de ajuda focados no distúrbio mental.

Como lidar com uma pessoa em surto?

Se notar os sintomas acima evite confrontos. Pelo contrário, mantenha uma postura neutra. Além disso, aja rápido retire materiais cortantes ou que possam ser perigosos para o paciente.

Procure mantê-lo por perto e, se a situação piorar, acione a emergência. Em raros casos pode ser preciso internação, porém, mesmo que isso aconteça, o quadro pode ser revertido.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto.

Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como psiquiatra em Porto Alegre!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp