Dependência química na adolescência

Dependência química na adolescência: orientações para a família

A dependência química na adolescência é caracterizada como um transtorno mental que gera consequências físicas, emocionais e psicológicas na vida do jovem, e que — na maioria das vezes — o afeta de forma negativa, podendo causar grandes prejuízos.

Muitas pessoas que se encontram nessa condição afirmam que tiveram o primeiro contato com essas substâncias ainda na adolescência. Isso é bastante comum, pois esse é o período da vida em que o indivíduo se encontra em maior estado de vulnerabilidade para experimentar e fazer uso dessas substâncias.

Além disso, o número de jovens que se encontram nessa situação está aumentando cada vez mais devido a grande facilidade acesso à essas drogas ilícitas nos dias atuais.

Por esse motivo, a família exerce um papel fundamental na vida do adolescente, visto que ela deve atuar no sentido de proteção, deixando-o ciente dos riscos e das consequências negativas que essa dependência traz, antes que ele tenha o primeiro contato com as drogas.

No entanto, alguns fatores — como desajustamento familiar, fragilidade emocional, amizades ou tentar se inserir em um determinado grupo social — podem ser alguns dos motivos que fazem o jovem experimentar e fazer uso das drogas, e como consequência desse ato ele pode acabar ficando dependente desse consumo.

Em casos de dependência química na adolescência, a família possui um papel bastante importante no processo de recuperação do jovem.

Como a familiar deve lidar com a dependência química na adolescência

Veja, a seguir, algumas orientações que irão contribuir para isso.

Trate o adolescente com carinho e amor 

É bastante comum que alguns familiares, ao saberem da situação em que o indivíduo se encontra, comecem a crucificar, tratar mal e excluir o adolescente de algumas ocasiões. 

Atitude essa que é totalmente errada, pois o dependente químico, assim como qualquer um, merece ser tratado bem e com respeito.

É importante ter em mente que ele não está nessa situação por vontade própria, ele simplesmente não consegue ter autocontrole e largar o vício de uma hora para outra.

Portanto, é fundamental acolher e incentivar o jovem, o tratando com carinho, amor e respeito, pois essa é uma situação bastante complicada que requer todos esses cuidados.

Evite a codependência 

Além dos familiares que decidem excluir o adolescente da família, também existem aqueles que passam a viver em função do dependente, reorganizando totalmente a sua vida, e acabam se tornando codependentes.

Pessoas que apresentam quadro de codependência se atrelam aos problemas do dependente químico, não conseguindo impor limites em seus comportamentos problemáticos e, de certa forma,  acabam aceitando todas as consequências desses atos.

Busque ajuda profissional

Dificilmente o dependente químico irá buscar ajuda por vontade própria. Por isso, é fundamental que a família busque ajuda de um psicólogo ou psiquiatra especializado na área, pois ele irá receitar medicamentos que ajudam no controle da dependência e, se necessário, irá encaminhar o jovem para uma clínica de reabilitação.

É comum que em casos de dependência química na adolescência os familiares saibam identificar o início do problema. Porém, a orientação de um profissional continua sendo necessária, pois as formas mais adequadas para tratar desse assunto não são conhecidas por eles.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como psiquiatra em Porto Alegre!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp